domingo, 10 de junho de 2012

Quando Hollywood se curvou a Laurence Olivier


Henrique V (1944) adaptado da peça homônima de Shakespeare, é considerado um dos melhores filmes já realizados por Laurence Olivier. 

Considerado o maior intérprete do dramaturgo inglês, quando se propôs a filmar Henrique V, Larry pediu a William Wyler, que já o havia dirigido em O Morro dos Ventos Uivantes (1939), para dirigi-lo. No entanto Wyler recusou dizendo que se era Shakespeare, Olivier deveria fazê-lo.

Quando pronto, o filme foi sucesso de crítica e público. O ator que ficara conhecido em terras estadunidenses com O Morro dos Ventos Uivantes (1939), agora mostrava que também sabia fazer grandes películas, até melhores que os próprios 'donos' do cinema. Uma publicação afirmou que Olivier mostrara a Hollywood como se colocava Shakespeare na tela.

Quando as indicações da Academia saiu, Henrique V havia recebido quatro: Melhor Filme, Melhor Ator (Laurence Olivier), Direção de Arte-Cor e o Prêmio Especial para Laurence Olivier por sua conquista como produtor, ator e diretor em trazer Henrique V para a tela.

Como visto, a Academia não abriu mão de seus Oscars e premiou Larry apenas com o Prêmio Especial. Entretanto, dois anos depois não teve outro jeito, com Hamlet, conseguiu seu único Oscar de Melhor Ator, o primeiro ator a ganhar o prêmio dirigindo a si próprio, fato repetido apenas 50 anos depois, quando Roberto Benigni obteve a estatueta por A Vida É Bela

Eu me propus ser o maior ator de todos os tempos. Quis ser conhecido e admirado. Minha ambição era tornar minha presença conspícua nos grandes palcos teatrais... Ostento uma coroa teatral invisível que me agrada, à qual tenho apego e não abandonarei. Laurence Olivier


Buscando mesclar o palco do teatro com as ações cinematográficas, Olivier inicia o filme com um enquadramento dentro do Globe Theatre. Na abertura, a câmera paira sobre uma maquete de Londres e vai expandindo-se para a ação na França.


Sinopse 



O longa conta quando o monarca inglês, Henrique V, sai rumo à França para reivindicar a coroa. A história é celebre pela Batalha de Agincourt. O exército inglês estava em número reduzido, 18 mil homens,  comparado ao francês, 60 mil homens. Prevendo o pior, o rei faz um discurso aos soldados, onde clama como se já houvessem ganho a batalha. Diante de tal incentivo, a Inglaterra vence o grande contingente da França. Henrique obriga os franceses a assinar um tratado de paz e o monarca se casa com Katherine da França.


Curiosidades

-Henrique V foi considerado propaganda ideal de guerra para o governo inglês, Laurence Olivier foi dispensado da Aviação Naval Britânica para atuar nele; 


-O filme serviu para alimentar o espírito de vitória  dos Aliados durante a Guerra;


-Devido à Guerra, o metal estava escasso portanto, sendo racionado, por isto, toda a armadura de cota de malha do filme foi feito de lã pintada de cinza;

-Filmado com orçamento de dois milhões de dólares, foi a produção britânica mais cara da época;

-A maior parte do filme foi filmada na Irlanda, país neutro na Segunda Guerra Mundial, onde o elenco estaria a salvo dos ataques aéreos da Luftwaffe;

-Os cortes mais significativos do texto - os que geralmente provocam críticas a Henry como um rei, foram supostamente feitos a pedido de Winston Churchill; 

-Olivier teve que fazer suas próprias cenas de ação, resultando em vários ferimentos, incluindo ombros fraturados;


-Vivien Leigh queria interpretar Katherine, mas David O. Selznick não liberou-a do contrato com a Selznick International Pictures, acreditando que o papel era pequeno para uma atriz daquele porte. Vivien nunca perdoou Selznick e nunca trabalhou para ele novamente. A personagem foi interpretada por Renée Asherson;

-Olivier não participou de um filme por um ano e meio para incentivar e atrair o maior público possível. Durante o tempo, o ator recebeu cerca de 460 mil libras livres de impostos;

-O título do filme abreviado é Henrique V. O título original é: The chronicle history or king Henry the fift with his battell fought at Agincourt in France;

-O filme com o maior título a receber indicação ao Oscar;


-As únicas linhas no filme que não foram escritas por Shakespeare são: "Farewell, farewell, divine Zenocrate/Is it not passing brave to be a king/And ride in triumph through Persepolis!"   , que pertencem a Tamburlaine, O Grande  de Christopher Marlowe; 

-A realeza francesa retratada no filme deveria refletir a atitude para com os nazistas na época - arrogante, incivilizado e rude.


*fontes: IMDb e Memorial da Fama







2 comentários:

  1. O seu blogue é muito bacana e traz informações bastante interessantes. E o seu template é bárbaro!

    ResponderExcluir
  2. maravilhoso post e blog!!!
    saudações...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...