domingo, 22 de julho de 2012

A letra escarlate e a crítica ao puritanismo


Um dos temas mais polêmicos da sociedade é o adultério. Especificamente o adultério feminino. É em A Letra Escarlate que Nathaniel Hawthorne propõe-se a discutir o tema.



O livro


A Letra Escarlate, de 1850 narra a vida de Hester Prynne, durante os anos de 1642 a 1649, quando esta concebe uma filha fora do casamento e é condenada pela sociedade puritana de Boston a usar uma letra "A" (de adultério) vermelha no peito. 

O "crime" de Hester é revelado quando seu marido, do qual não sabemos o nome, se perde no mar e a mulher dá a luz uma criança que não poderia ter sido concebida. Então fica evidente aos olhos da sociedade que Hester cometeu um pecado. No entanto, a moça se recusa a identificar o pai da filha, então é condenada a usar a letra escarlate do título.

O marido de Hester, descobrimos depois, é  Roger Chillingworth, um velho que agora pratica medicina e volta quando a esposa está sendo condenada pela cidade. Esse medica a criança e pressiona Hester para que revele o nome do amante. Mas ela continua se recusando a fazê-lo, então Roger a obriga a esconder o segredo de sua volta e passa a viver como médico na aldeia.

Os anos se passam e Hester se sustenta como costureira, evitando a sociedade o máximo que pode. A criança cresce e a população tenta tirá-la da mãe, mas Arthur Dimmesdale, ministro, convence-os a deixar a menina e mãe juntas.  

Arthur Dimmesdale, por seu apoio as duas, suscita as suspeitas do marido de Hester. Arthur também tem uma vida perturbada, sendo que um dia é visto tentando pular de um andaime para punir os seus pecados.

Os tormentos de Hester Prynne e Arthur Dimmesdale são tratados na obra como visões e confrontos de pensamentos. Em A Letra Escarlate Nathaniel Hawthorne nos remete à discussões sobre moral, intolerância e condenação. Hester e Arthur representando pecado e condenação. Já Roger Chillingworth mostra a raiva da alma, a sociedade chocada. Pearl, a criança, está aqui como um símbolo, a própria letra escarlate, que mesmo inocente, leva a culpa do pecado de seus pais.


O confronto entre as gerações se dá entre os puritanos e os que erraram: a falta de humanidade, intolerância para com o próximo. O antigo contra um novo mais flexível, mais perdoável.



Nathaniel Hawthorne
Hester passa a enxergar a vida de outra forma, uma forma que não é aceita pelos puritanos. Ela passa sua vida fazendo o que pode pelos pobres e doentes, mesmo assim não sendo aceita pela população. Ela acredita que os pecados terrenos não condenam necessariamente uma pessoa, ela já cumpriu sua penitência. Hester cria suas próprias regras e pensamentos. Enquanto que no início da obra, "A" simboliza a vergonha, no decorrer notamos esta se tornar parte da identidade da moça. 


Quando publicado em 1850, Hawthorne duvidou que se tornasse popular, entretanto o romance tornou-se best-seller instantâneo. Embora elogiado por críticos, A Letra Escarlate provocou a ira de alguns religiosos que não se conformaram com o tema como estava tratado.

O tema estava em alta na época devido ao começo do feminismo e do lançamento de obras  como Dom Casmurro, do Machado, Madame Bovary, de Flaubert e óperas como Tristão e Isolda, de Wagner.

Para entender melhor: The Scarlet Letter, no Parrish Co.

*No post seguinte: 
The Scarlet Letter: Versões

6 comentários:

  1. Não conheço, em detalhes a obra, apenas de forma resumida. Porém, é inegável que vivemos em um mundo onde a hipocrisia reina e gerencia nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  2. Não conheço o livro, mas quero muito ver o filme com a Lillian Gish. Aliás, minha lista de filmes que quero ver com a Lillian aumenta a cada dia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Passei para conhecer teu blog e gostei muito.Parabéns e meu geande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente não gostei do livro. Quero dizer, foi decepcionante. Pensei em uma narrativa extremamente pesada e forte, com foco nos diálogos. Mas o marido traído é simplesmente colocado como vilão, enquanto o autor coloca o (covarde) Dimmesdale como um coitado. Vão discordar de mim, mas foi o que achei.

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito, pois estou estudando A letra escarlate, sendo de grande ajuda.

    ResponderExcluir
  6. Os adúlteros deveriam viver com a letra escarlate na testa hoje dia!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...